Ouça agora na Rádio

N Notícia

Divulgação / Assessoria Jair Bolsonaro

FOTO: Divulgação / Assessoria Jair Bolsonaro

Especialistas: Visita de Bolton a Bolsonaro denota aproximação inédita entre EUA e Brasil

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton visitou hoje Jair Bolsonaro na casa do presidente eleito no Rio de Janeiro.

Informações compartilhadas Sputnik Brasil

O caráter informal da reunião e os sinais de alinhamento ideológico entre as duas autoridades denotam aproximação inédita entre EUA e Brasil, cujos efeitos são imensuráveis, dizem especialistas ouvidos pela Sputnik.

Durante cerca de uma hora, Bolton e Bolsonaro discutiram as relações diplomáticas entre os dois países e debateram pontos-chave da política externa norte-americana de Donald Trump, como a pressão à Venezuela e à Cuba, uma mudança de postura com a China e a possível transferência da embaixada brasileira a Jerusalém.

Especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil analisaram o encontro e apontaram quais podem ser os resultados práticos de uma estreitamento de laços com os norte-americanos. Professor de Relações Internacionais das Faculdades Rio Branco, Pedro Costa Júnior destacou o caráter inédito da visita. Na visão do professor, Bolsonaro dá indícios fortes do rompimento com a política externa perpretada pelos governos petistas no Brasil.

"Antes de tomar posse, receber um assessor importante do presidente [dos EUA] é algo inédito. [Receber Bolton] é uma escolha clara, um alinhamento estratégico, o símbolo do que Bolsonaro prometeu  na campanha. Trata-se de um rompimento com a política externa dos governos Lula e Dilma, no aspecto da Cooperação Sul-Sul, mais diversificada, altiva, o alinhamento com os BRICS, Unasul, etc. Agora há uma proposta de se voltar para o Norte, o que naturalmente, inclui os Estados Unidos e a Europa Ocidental", avalia o acadêmico.

A opinião é ecoada pelo professor de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas, Guilherme Casarões. Especialista em política externa brasileira, Casarões pontua que a opção pelo alinhamento com os EUA tem também fortes raízes ideológicas e políticas.

"Foi um desejo manifestado pelo então candidato e agora presidente eleito Jair Bolsonaro desde o princípio, tanto em termos de relacionamento econômico quanto no de reproduzir o que o presidente Trump vem fazendo na política externa. É uma visão de mundo do que poderíamos chamar de 'anti-globalismo', um entendimento de que o Ocidente que está sendo corrompido por aquilo que se chama de 'marxismo cultural', colocando os Estados Unidos como crucial para que possamos nos resgatar", pensa o professor.

Interesses distintos

As opções aventadas por Bolsonaro e Bolton na manhã dessa quinta, porém, demandam cautela nas palavras de Costa e Casarões. As declarações pesadas do presidente eleito e do conselheiro contra Venezuela, Cuba e China podem representar interesses que, do ponto de vista brasileiro, não são convergentes. Costa defende que na abordagem Caracas, o Brasil deve aumentar a pressão econômica ao governo de Maduro por meio de sanções.

"Nós vivemos um clima de estabilidade e pacifismo que é regra na América do Sul. Nossa última conflagração militar foi a Guerra do Paraguai, há 150 anos. O Brasil tem papel primordial nisso, como é natural devido ao nosso tamanho, população, poder econômico. É nossa responsabilidade atuar quando há problemas com nossos vizinhos no sentido de promover a pacificação", afirma.

Casarões acrescenta, dizendo que os contextos regionais e históricos são diferentes entre Brasília e Washigton e mimetizar a política externa de Trump pode ser um jogo delicado para o Brasil.

"O Brasil compartilha fronteiras e está sofrendo os impactos da crise de refugiados venezuelanos. Nós também temos um histórico de integração regional que vem se desenvolvendo nos últimos 30 anos e no qual a Venezuela sempre foi um elemento muito importante. Essa postura de hostilização aberta à Venezuela,  pessoalmente não acho que seja o melhor caminho. Com isso não quero dizer de forma alguma que devamos ser coniventes com as barbaridades perpretadas pelo governo de Maduro, mas ao assumir a possibilidade de apoiar os EUA em uma intervenção militar como aventou o filho do presidente eleito recentemente, isso nos colocaria em uma posição desconfortável porque não temos vocação de projeção militar na região", alerta.

Iniciativas como os BRICS, o Mercosul, Unasul, entre outros também podem sofrer ressignificações profundas sob a batuta de Bolsonaro. Casarões, porém, chama a atenção para as diferenças também nestes aspectos. "O Brasil do ponto de vista econômico e dos recursos de poder não tem a mesma estatura dos EUA. A partir do momento em que a gente passa a fazer política externa não pensando naquilo que é interesse nacional, mas nos interesses dos Estados Unidos ou de grupos domésticos com visões muito particularistas, corremos o risco de colocar a trajetória longa do Brasil em risco", acredita, apontando, entre outras questões, a mudança da embaixada brasileira em Israel para Jerusalém, um pioneirismo adotado pelos EUA e só seguido pela Guatemala.

Críticas a continência

Além dos tópicos debatidos por Bolsonaro e Bolton, o simbolismo de um pequeno gesto chamou a atenção da imprensa durante o encontro. Ao receber o conselheiro, o presidente eleito bateu continência ao americano, simbolismo visto como inapropriado por analistas que se debruçaram sobre a questão. Paulo destacou o caráter "a priori, condenável" do capitão.

"A diplomacia é feita de símbolos e o Bolsonaro recebeu ele [Bolton] em casa, o que dá uma ideia de proximidade muito grande. Parece ser uma coisa para além de uma relação comum entre Estados. Acho que pode ser um símbolo bastante preocupante, pode dar uma linha do que vai ser a nossa política externa do Bolsonaro", concluiu o professor.

FONTE: Sputnik Brasil
Link Notícia

Leia também